domingo, 15 de janeiro de 2017

Livros de e para uma vida

Domingo, de manhã, é uma boa altura para se escrever sobre livros. Numa ida ao café, há quem leia, com mais detalhe, as notícias do jornal. Outros aproveitam o dia soalheiro para ler um livro na esplanada. É uma sorte viver numa cidade com a opção rio e mar! Há ainda quem prefira dedilhar no telemóvel a procura de matéria para se exercitar na leitura. E o curioso, em relação a estes últimos, é que muitos deles não tinham hábitos de leitura antes da aparição destes fenómenos das redes sociais e dos "telemóveis espertos". É um ponto muito positivo, este e também o é a possibilidade de todos fazermos a construção de frases através dos comentários. Têm muitos erros ortográficos e de outra ordem?! Verdade, mas há exercício de escrita e isso é que nos importa realçar. Ao mergulharmos na imensidão de livros que vamos acumulando escolhemos um, em especial, para tecermos algumas considerações. Trata-se de um livro de curso, referente a Engenharia Civil, da Universidade do Porto, datado de 1952. A nós, que tivemos uma experiência académica mais contemporânea, sem nunca se ter sugerido a execução de tal obra, impressiona-nos a dedicação e o cuidado com que foi feita toda a publicação. Escolheu-se uma pessoa especial para cada um dos alunos e pediu-se para lhe fazerem uma dedicatória. Alguém ilustrou a figura dos alunos, com características que os distinguiam e anexaram-se os textos, sendo o resultado final muito envolvente, mesmo para quem não tem nenhuma pessoa conhecida na lista de alunos ou professores (destes, um ou outro era mais conceituado, como Antão de Almeida Garrett). Visto o livro, com a distância temporal de décadas e com a percepção do que se passa nos dias de hoje, fica no ar a sensação de que na altura era tudo encarado com mais seriedade, mesmo que a amostra seja apenas este pequeno apontamento da tradição académica. 


É pato na descendência
Cisne n'apresentação 
É um cordeiro na família 
É na vida um pavão...
Desculpa amigo pato
Melhor não sei rimar
Aproveito a ocasião
P'ra daqui te abraçar

Manuel Morais


Apenas um exemplo, com nota humorística, dos textos que se podem encontrar no livro de curso de Engenharia Civil, da UP (1952). Para quem assumia não saber rimar, está muito bem, sim senhor, merecendo a nossa citação. 


Seria uma tremenda injustiça, com o cheiro a vitela assada, no forno, que aqui paira no ar, não fazer um tributo à "Cosinheira das Cosinheiras" e aos almoços de domingo, em família. Delicioso!


2 comentários:

  1. Caro Monsieur Almeida
    Cumprimentos.
    O engenheiro Santos Pato é uma figura muito querida em Bustos, tendo morrido de forma inesperada. Por isso lhe peço um grande favor. Não poderia digitalizar as páginas do livro de curso que dizem respeito ao engenheiro?

    Ficarei muito agradecido me mas poder enviar: belinoc@gmail.com

    Atenciosamente

    Belino Costa

    ResponderEliminar
  2. Caro, Belino Costa

    dá para perceber que tem no seu blogue um trabalho sério e dedicado, parabéns por isso e teremos todo o gosto em enviar-lhe uns apontamentos referentes à personalidade solicitada

    Até breve

    Md'A

    ResponderEliminar