quarta-feira, 29 de março de 2017

Eléctricos


Segundo poema da cidade

O segundo poema da cidade

Foi feito de manhã
Quando o sol começou
A brincar nos telhados,
Quando os eléctricos principiaram
A atravessar as ruas sonolentas,
Quando os barbeiros abriram as portas,
Os ardinas trouxeram os jornais,

Os caixeiros vieram para as lojas
E os automóveis e os camiões
Passaram apressados, buzinando, (...)

António Rebordão Navarro, 1952


Estas palavras de António Rebordão Navarro foram retiradas do livro "O Carro Eléctrico No Porto" (Helder Pacheco) e traduzem o seu registo, muito particular, de atenção ao quotidiano da cidade. Como não poderia deixar de ser, os carros eléctricos constam da dinâmica citadina descrita e fazem-nos deambular por memórias relacionadas com tão peculiar meio de transporte. Por falta de viabilidade económica, os eléctricos estiveram em risco de só poderem ser vistos entre as quatro paredes de um museu, mas o "boom" turístico na cidade do Porto parece ter resolvido, de vez, a questão e é vê-los passar repletos. Alguns dos modelos de carros eléctricos só são possíveis de contemplar quando saem à rua, no dia do Desfile do Carro Eléctrico ou, então, fazendo uma visita ao Museu do Carro Eléctrico, ainda assim, os que estão mais aptos à exploração comercial parecem fazer as delícias de quem procura uma experiência de "viagem à moda antiga", com a fotografia para a posteridade incluída. 



Uma terceira possibilidade para visualizar os diferentes modelos de carros eléctricos existentes é acedendo à fotografia desta pequena colecção de pins :) incompleta, sem qualquer catalogação, mas de grande estima. 

Sem comentários:

Enviar um comentário