quarta-feira, 26 de abril de 2017

Olivetti 82

A Olivetti 82 é daquelas máquinas de escrever para as quais se olha e se percebe, de imediato, a fiabilidade do produto. Esta é uma máquina que dificilmente avaria, pois, para além da credibilidade que o fabricante lhe atribui, foi toda pensada para a exigência da indústria. É um equipamento robusto, tanto que o utilizador tem de ter cuidado para não se magoar, numa das arestas do seu carreto, por exemplo. O seu design industrial, com o característico e estrondoso bater de teclas podem não ser do agrado de todos, mas é indesmentível que esta imponente máquina de escrever se transformou num ícone e, para tal, em muito terá contribuído Giovanni Pintori. Este génio das artes gráficas dedicou quase toda a sua carreira à Olivetti e o reflexo está na extensa obra deixada, com trabalhos publicitários transformados em referências e que merecem ser observados e estudados. O livro e o filme existentes, com o mesmo nome da máquina, Olivetti 82, acabam por ser um tributo ao equipamento e a toda a estética agregada, proveniente de um Benelux alternativo e, aparentemente, também influenciado por Orson Welles, com o seu filme Citizen Kane à cabeça. Quem aprecia o património industrial português, ao se abordar uma máquina de escrever e todo o valioso enredo à sua volta, não pode deixar de soltar um suspiro pela extinta Messa, de Sintra. Desta fábrica já nem as paredes restam - construiu-se um Centro de Saúde - por isso salvaguardem-se as memórias que proliferam pelas casas de antiguidades, em forma de máquinas de escrever, publicidades e outra memorabilia de relevo. 


À máquina de escrever relacionou-se um documento antigo, do Instituto Industrial de Lisboa e um cinzeiro icónico, da Sacor, de modo a remeter o ambiente para cenários industriais onde a máquina teria lugar. 


Em tempos, idealizámos este cenário e, lá está, a Messa marca presença de monta. O destino que a máquina de escrever teve foi um merecido lugar de destaque num projecto de vitrinismo. Que outras oportunidades tenha no futuro!






Sem comentários:

Enviar um comentário